Gerenciamento de Resíduos: como funciona?

lata de lixo com o símbolo da reciclagem para representar o gerenciamento de resíduos

  |   por

Hoje vamos falar sobre o gerenciamento de resíduos na construção civil. Como já explicamos em outros textos aqui no blog, a indústria da construção…

Hoje vamos falar sobre o gerenciamento de resíduos na construção civil. Como já explicamos em outros textos aqui no blog, a indústria da construção civil exerce um consumo excessivo de recursos naturais e possui uma elevada geração de resíduos. O descarte irregular dessas sobras pode trazer diversos problemas ao meio ambiente. Pensando nisso, nesse texto vamos explicar como fazer uma gestão de resíduos e qual a importância dessa prática. Acompanhe até o final. 

O que são os resíduos na construção civil?

De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, os resíduos da construção civil são “aqueles gerados nas construções, reformas, reparos e demolições de obras, incluídos os resultantes da preparação e a escavação de terrenos para obras civis.” Esses restos são oficialmente chamados de Resíduos da Construção e Demolição (RDC) ou Resíduos da Construção Civil (RCC).

A gestão de resíduos é uma etapa fundamental do planejamento. Além disso, aqui no Brasil possuímos um documento, resolução CONAMA nº 307, que estabelece obrigações legais relacionadas à gestão de materiais excedentes voltada para construtoras e municípios. O órgão responsável é o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA).

Entretanto, mesmo existindo uma legislação sobre o tema, muitas empresas de construção ainda não fazem a gestão de resíduos de forma adequada. Dessa forma, acabam contribuindo para a poluição ambiental, degradação visual e comprometimento da mobilidade urbana, além de gerarem a perda e o desperdício de materiais da obra.

Plano de gerenciamento de resíduos

1 – Caracterização dos resíduos:

Nesta etapa o gerador deverá identificar e quantificar os resíduos. De acordo com a Resolução CONAMA nº 307 de 2002 os resíduos da construção civil são agrupados em quatro diferentes classes:

Classe A – Resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados, como:

A) de construção, demolição, reformas e reparos de pavimentação e de outras obras de infraestrutura, inclusive solos provenientes de terraplanagem; 

B) de construção, demolição, reformas e reparos de edificações: componentes cerâmicos (tijolos, blocos, telhas, placas de revestimento etc.), argamassa e concreto; 

C) de processo de fabricação e/ou demolição de peças pré-moldadas em concreto (blocos, tubos, meio-fio etc.) produzidas nos canteiros de obras; 

Classe B – Resíduos recicláveis para outras destinações, tais como: plásticos, papel, papelão, metais, vidros, madeiras e gesso; 

Classe C – Resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem ou recuperação; 

Classe D – Resíduos perigosos oriundos do processo de construção, como tintas, solventes, óleos e outros ou aqueles contaminados ou prejudiciais à saúde oriundos de demolições, reformas, reparos de clínicas radiológicas, instalações industriais e outros. Além disso, estão inclusas telhas e demais objetos e materiais que contenham amianto ou outros produtos nocivos à saúde. 

2 – Segregação/Triagem

A segregação dos resíduos é indispensável, pois facilita as próximas etapas. É importante que seja realizada pelo gerador na origem, ou que seja realizada nas áreas de destinação licenciadas para essa finalidade, sempre levando em consideração as classes dos resíduos.

3 – Acondicionamento

Nesta etapa é preciso garantir a separação dos resíduos e facilitar o transporte dos lixos do canteiro de obras até seu tratamento e destinação final. Big bags, caçambas, baias e lixeiras comuns são exemplos de dispositivos que podem ser usados para facilitar essa distinção de resíduos.  

4 – Transporte

Essa etapa define-se pela remoção dos resíduos do seu local de origem para seu destino final. Deverá ser realizado conforme as etapas anteriores e de acordo com as normas técnicas para o transporte dos resíduos.

5 – Tratamento e destinação final

Os resíduos possuem tratamento e destinação final de acordo com a classe que pertencem, por exemplo: 

Classe A e B: deverão ser reutilizados ou reciclados na forma de agregados, ou encaminhados a áreas de aterro de resíduos, permitindo sua reciclagem futura; 

Classe C: podem ser encaminhados a aterros industriais para resíduos não perigosos e não inertes. 

Classe D: devem ser encaminhados para aterros industriais que tenham tecnologia para minimizar seus danos ambientais.

De acordo com a Plataforma Sienge, a coleta e remoção dos resíduos do canteiro de obras devem ser realizadas por transportadoras licenciadas. Além disso, é necessário o preenchimento de uma ficha com os dados do gerador, tipo e quantidade de resíduos, dados do transportador e dados do local de destinação final.  

Como diminuir a geração de resíduos na minha construção?

o gerenciamento de resíduos pode acontecer através de uma simples coleta de lixo
Fonte: Unsplash

É fundamental começar a pensar em formas mais racionais de construir gerando menos desperdício. Sendo assim, é necessário ter um planejamento estratégico que envolva o gerenciamento de resíduos. Existem algumas ações simples que podem ajudar a diminuir a quantidade de lixos gerados nos canteiros de obras, algumas delas são: 

  • Invista em um bom planejamento, evitando perda de materiais, de recursos financeiros e até mesmo de mão de obra; 
  • Utilize um projeto inteligente de canteiro de obras, evitando perdas no transporte do transporte do depósito ao local de uso; 
  • Invista no treinamento de seus funcionários com relação ao manejo e à segregação de resíduos; 
  • Armazene os materiais de forma correta; 
  • Identifique os locais de despejo dos resíduos de acordo com suas classes e características; 
  • Invista em tecnologias construtivas que ajudem a reduzir os desperdícios de materiais na obra, como por exemplo construções offsite
  • Reutilize os resíduos da construção civil no próprio canteiro. A maior parte das sobras de materiais podem ser reutilizáveis. 

Por fim, temos o exemplo de um dos nossos grandes projetos de multipropriedade, a construção do Lagoa Eco Towers. Durante a construção do Bloco A, os resíduos foram separados e preparados, passando pelas etapas de moagem, peneiramento e beneficiamento, para serem reaproveitados em argamassa na construção do Bloco D.  

Na etapa de peneiramento, buscamos atingir a granulometria mais próxima das areias comumente utilizadas na construção, garantindo um melhor desempenho em acabamento de superfície das argamassas. Além disso, o beneficiamento realizado junto à parceiros especializados em controle tecnológico foi necessário para garantir o desempenho da argamassa em relação à tração, aderência, resistência e combate às fissuras. Simples e sustentável! 

Então, ainda possui alguma dúvida sobre o gerenciamento de resíduos na construção civil? Caso tenha algum questionamento, entre em contato com a gente. Aqui na Amplus construímos galpões, hospitais, prédios comerciais e muito mais, sempre de forma responsável, evolutiva e inovadora.  Estamos à sua disposição!