Metodologias ágeis aplicadas na construção civil

  |   por

Nos últimos anos, a busca por processos cada vez mais eficientes levou a indústria da construção civil a se reinventar…

Nos últimos anos, a busca por processos cada vez mais eficientes levou a indústria da construção civil a se reinventar exponencialmente. Ao mesmo tempo em que buscamos mais rapidez na elaboração e execução dos projetos, aprimorar a qualidade continuamente também é uma prioridade. Nesse contexto, as metodologias ágeis na construção civil têm se tornado muito populares.

No artigo de hoje descomplicamos todo esse assunto. Continue a leitura e descubra o que são e como aplicar as metodologias ágeis na construção civil.

O que são metodologias ágeis?

Os métodos ágeis são uma ideia trazida pela Tecnologia da Informação. Basicamente, esse conceito envolve todas as práticas e processos pensados para aprimorar o desenvolvimento de softwares. Uma vez que esses métodos se mostraram muito úteis na gestão de qualquer tipo de projeto, esses sistemas se popularizaram entre as empresas dos mais variados setores.

Conforme os processos humanos e robóticos têm se fundido na Indústria 4.0, os prazos para execução são cada vez menores e a nova dinâmica do mercado exige que as empresas consigam se “mover” rápido. Empresas muito grandes, robustas e com processos muito burocráticos, tem tido dificuldade nesse novo universo, perdendo share e valor de mercado e algumas até encerrando as operações. Nesse ponto, as metodologias ágeis se mostram uma ótima solução para dar competitividade às organizações.

Em suma, a proposta das metodologias ágeis é fragmentar o projeto todo em pequenos ciclos, com prazos bem definidos e entregas de valor a cada ciclo – normalmente de 15 dias – para os stakeholders do projeto, que neste formato tem uma participação mais ativa em todo o processo, afinal, são pra eles que tudo está sendo desenvolvido. Com isso os erros são identificados rapidamente e corrigidos no ciclo posterior, assim como as oportunidades de melhorias. Além disso, esses métodos priorizam bastante o alinhamento e a comunicação entre a equipe, para que os processos continuem melhorando continuamente.

O manifesto ágil

No início dos anos 2000, um grupo de 17 pessoas se reuniu para criar o Agile Manifesto ou Manifesto Ágil. Essa declaração é o que fundamenta o desenvolvimento ágil de software. Entretanto, os seus princípios podem ser eficazmente aplicados à qualquer tipo de gestão de projetos.

O Manifesto Ágil é condensado em quatro pilares, que definem as prioridades e revelam os valores que fundamentam as metodologias ágeis:

  1. Comunicação: os indivíduos e suas interações estão acima de processos e ferramentas.
  2. Praticidade: o funcionamento do software (ou do projeto de construção) está acima da documentação abrangente.
  3. Alinhamento: a colaboração entre os membros do projeto e com o próprio cliente está acima da negociação de contratos.
  4. Flexibilidade: a capacidade de responder às mudanças é mais importante que seguir um plano pré-estabelecido.

É interessante ressaltar que eleger prioridades não significa excluir estes outros elementos citados, que são típicos do modelo tradicional de gestão de projetos. Os quatro pilares apenas estabelecem uma escala de valores que possa orientar as tomadas de decisão com base no que é mais importante.

Por que aplicar metodologias ágeis na construção civil?

A construção civil tradicional ainda é marcada por muita burocracia e formalidades no desenvolvimento de seus projetos. As muitas exigências legais, documentações e prazos envolvidos aumentam ainda mais a necessidade de controle no andamento dos projetos.

Um projeto de construção geralmente envolve longas etapas e diferentes equipes em cada uma delas. Problemas de alinhamento entre os profissionais envolvidos, falta de clareza nos prazos e obstáculos na transparência do processo ao cliente podem comprometer seriamente a qualidade na execução de uma obra.

Assim, as metodologias ágeis nos propõem novas formas de executar projetos, contornando esses problemas tão comuns. Assim, tudo acaba sendo consequência da mudança de mindset que o agile traz, que é de colocar o cliente no centro em todas as decisões a serem tomadas. O propósito não é apenas construir algo para o cliente, mas sim junto com o cliente, participando-o o máximo no processo. Com isso conseguimos identificar erros muito mais facilmente nos processos, além de permitirem mais flexibilidade para adaptar o que for necessário durante a execução. 

Confira abaixo as principais vantagens dos métodos ágeis:

Comunicação e colaboração

O interação constante entre a equipe envolvida no projeto e com o próprio cliente melhora consideravelmente a resolução de problemas. Além de uma equipe bem alinhada e ciente de todas os processos em curso, a comunicação constante previne conflitos, melhorando a convivência na empresa e a colaboração entre departamentos. Por outro lado, transparência também aumenta a confiança do cliente na empresa e isso traz mais credibilidade à construtora dentro do mercado.

Redução de riscos

Como as metodologias metodologias ágeis mantém todas as partes envolvidas no projeto em constante interação, isso também possibilita testes e feedbacks numa frequência muito maior. Isso significa identificar muito mais rápido quaisquer falhas que possam constar no projeto e encontrar as melhores soluções em equipe.

Reduzir riscos, por sua vez, também é reduzir custos e poupar recursos que seriam desperdiçados se não houvesse um acompanhamento contínuo de cada etapa do projeto.

Personalização do projeto

Uma vez que muitos processos são simplificados nos métodos ágeis, isso confere à equipe mais independência e flexibilidade para adaptar os processos conforme o projeto vai sendo executado. Em outras palavras, isso significa encontrar a solução mais completa para as necessidades daquele projeto em questão.

Trabalhar em um projeto flexível, além de mais confortável para os profissionais envolvidos, garante que o produto final conseguirá sanar todas as dores do cliente em questão.

Aumento de produtividade das equipes

Como a agilidade é a premissa principal destes sistemas, a principal vantagem das metodologias ágeis é, obviamente, o aumento na produtividade. Isso ocorre não porque as equipes passam a trabalhar mais ou mais rápido, e sim porque focam na execução do que importa – gerar valor para o cliente – e validam isso em ciclos curtos, portanto o desperdício é eliminado. Mais do que eficiência no planejamento, busca-se sobretudo agilidade na execução. Portanto, projetos executados com métodos ágeis conseguem cumprir todos os prazos estipulados com muito mais facilidade que os projetos realizados sob o modelo tradicional de gestão.

As principais metodologias ágeis aplicadas na construção civil

Agora que já entendemos o que são as metodologias ágeis, seus princípios e principais vantagens, é hora de saber como aplicá-las na construção civil.  Conheça 3 dos métodos ágeis mais famosos:

Scrum

O Scrum é uma das metodologias ágeis mais populares. Por incorporar muito bem todos os princípios do Manifesto Ágil, muitas vezes o Scrum é até mesmo confundido com o conceito em si.

Para utilizar o Scrum, primeiramente, é preciso que todos os integrantes da equipe tenham papéis muito bem definidos. É muito importante também designar um Dono do Projeto, também chamado de Dono do Produto, que é a pessoa que vai representar os interesses do cliente – e demais stakeholders –  junto ao resto da equipe. Devido a um maior conhecimento sobre o projeto, é o Dono do Produto quem irá definir as prioridades de cada ciclo (sprint) e quem valida as entregas aos finais das sprints. 

Um outro papel importante no Scrum é o Scrum Master, a pessoa responsável por eliminar as restrições que as equipes encontrem no desenvolver dos trabalhos. Conforme o Scrum Master distribui as tarefas entre a Equipe Scrum, iniciam-se as Sprints, que são as etapas do projeto, fragmentado em intervalos de tempo que não devem durar mais que um mês.

Assim que um Sprint é concluído, a equipe se reúne para revisar tudo o que foi executado, se as expectativas foram atendidas, se houve algum erro e se alguma refação ou adaptação será necessária. Feito isso, inicia-se a próxima Sprint, até que todo o projeto seja concluído e a obra esteja pronta para ser entregue.

Além das reuniões principais de planejamento e revisão dos Sprints, muitas Equipes Scrum aplicam reuniões diárias, o que mantém a equipe ainda mais alinhada no andamento do projeto e agiliza a solução de problemas.

Lean

O método Lean, cujo conceito significa “enxuto”, tornou-se bastante popular no contexto das startups e no empreendedorismo 4.0 em geral. Aqui o foco é diagnosticar e diminuir todos os desperdícios dentro da empresa ou de algum projeto em específico.

Eliminando eficientemente os desperdícios, os custos são reduzidos e as tarefas são realizadas mais facilmente. Isso também significa uma equipe mais produtiva e entregas mais pontuais.

O método Lean consiste em basicamente três etapas, que são aplicadas ao validar uma ideia ou projeto: construir, medir e aprender.

Um conceito interessante encontrado no Lean também é a busca pelos MVPs – produto mínimo viável, do inglês Minimum Viable Product. Um MVP seria a versão mais simples e eficiente possível de um produto, servindo como uma espécie de teste para validar aquela ideia. Assim, é possível identificar acertos e falhas antes de investir mais recursos para colocar a versão completa no mercado.

Kanban 

A metodologia Kanban é para quem gosta de trabalhar com checklists. De estrutura muito simples, também é um dos métodos ágeis mais utilizados na gestão de projetos atualmente.

A proposta principal desse método é organizar visualmente os processos que constituem o projeto. Um quadro físico ou virtual é criado e divide-se as atividades em três categorias:

  1. To Do – atividades que precisam ser executadas;
  2. Doing – tarefas que estão em curso, isto é, sendo realizadas por pessoas específicas da equipe no momento;
  3. Done – atividades concluídas, já aprovadas e entregues pela equipe.

Apesar da simplicidade, o sistema demanda um total engajamento da equipe para que ele possa funcionar. O segredo do sucesso no método Kanban é justamente o acompanhamento constante de cada tarefa executada na construtora.

SMART

Enquanto os outros métodos focam mais na execução, o Smart é um método que orienta a criação de metas. Na fase de planejamento, um projeto de construção deve ter objetivos reais e tangíveis, e o Smart condensa os seus princípios no seu próprio nome. Cada uma das letras indica uma característica de uma boa meta:

  • S – Specific: antes de tudo, a meta precisa ser clara e específica. Portanto, seu objetivo deve ser abordar um ponto de cada vez e não deixar margem para dúvidas.
  • M – Measurable: a meta precisa ser mensurável. Os objetivos estabelecidos no projeto devem ser sempre exatos e quantificáveis em números, para que se possa comprovar quando foram alcançados.
  • A – Attainable: os objetivos definidos devem ser alcançáveis, tendo em mente o tempo e os recursos disponíveis.
  • R – Relevant: a meta precisa gerar impactos positivos para o cliente e para a empresa. Ao criar um objetivo, ele deve dialogar com os pontos mais relevantes do projeto.
  • T – Time-related: Por último, é preciso ter prazos bem definidos.

Como vimos, a aplicação de metodologias ágeis na construção civil pode fazer uma enorme diferença no planejamento e execução de uma obra. Como a aplicação destes métodos geralmente não exige nenhum treinamento complexo, cada vez mais empresas da construção têm dado uma chance a este novo modelo.

Mais do que um aprimoramento da produtividade, a aplicação das metodologias ágeis são um reflexo da transformação digital vivenciada pela indústria da construção. Na Amplus Construtora, por exemplo, a implementação de ferramentas como o Scrum, Lean, LPS, Design Sprint, Design Thinking, SAFE, OKRs,  já é uma realidade. Conforme sensibilizamos a equipe interna sobre a mentalidade ágil, continuamos buscando sempre por novas formas de melhorar nossos processos e produtos entregues.

Saiba mais sobre a gestão de projetos na Amplus!

Alexandre Roger