Os hospitais do futuro são sustentáveis

  |   por

É sabido que a construção civil é um dos grandes setores da sociedade que mais causam impactos no meio ambiente….

É sabido que a construção civil é um dos grandes setores da sociedade que mais causam impactos no meio ambiente. Durante as obras, por exemplo, o segmento pode apresentar um volumoso consumo de recursos naturais, alta produção de insumos e alterações no espaço do empreendimento, como mudanças de solo, área de sol e vegetação. Além disso, soma-se também os gastos com energia elétrica. Mas quando falamos da construção de hospitais, o impacto pode ser ainda maior.

Leia mais sobre a construção de hospitais no nosso artigo: A complexidade das construções hospitalares.

Visto que são projetos construídos para prestar assistência à saúde pública, os hospitais também podem ameaçá-la, uma vez que suas atividades diárias e ininterruptas convertem-se em agentes potencialmente poluidores, criando condições que favorecem a proliferação de doenças. Estamos falando de empreendimentos que consomem grandes quantidades de insumos, como água, energia, alimentos, materiais e medicamentos. Consequentemente, acabam gerando emissões, efluentes e resíduos em excesso.

Além de todo gasto e poluição, é importante se atentar também ao atual momento global em que estamos, com grandes crises ambientais e escassez de recursos naturais. Mais do que nunca, pensar a sustentabilidade, principalmente em grandes obras como os hospitais, é urgente e necessário para a sociedade.

Os hospitais verdes

Os hospitais sustentáveis – também conhecidos como hospitais verdes – são a resposta para mostrar que podemos fazer diferente na construção civil. Projetar um prédio hospitalar a partir de diretrizes estratégicas e ecológicas – incorporando-as em suas operações diárias através de programas educativos e projetos de gerenciamento e tratamento de resíduos – é fundamental para construir e fazer operar edificações eco eficientes. A principal demanda do nosso segmento não é a criação de um empreendimento verde, mas assegurar, no que tange a construção civil, um sistema de saúde sustentável.

Para isso, existem organizações que são responsáveis por atestar edificações clínicas como sendo hospitais sustentáveis. Uma delas é o Green Building Council (GBC). Diante a importância da sustentabilidade hospitalar, essa entidade criou a LEED® for Healthcare, uma certificação que abarca necessidades próprias de um hospital.

Indicadores de um hospital sustentável

Para construir um prédio hospitalar sustentável, é preciso dominar técnicas específicas atreladas ao conceito de desempenho ambiental. Para isso, é importante se atentar a métodos como:

Canteiros de obras que geram menos impacto: a sustentabilidade de um projeto começa desde sua concepção. Por esse motivo, é necessário implementar práticas que limitam o desperdício e promovam a reutilização de recursos durante as obras.

De acordo com a Eng. Thais Lustosa, Engenheira de Produção da Amplus, para a gestão dos resíduos sólidos no canteiro de obras do Lagoa Eco Towers – um dos nossos projetos em desenvolvimento – todos os colaboradores recebem a instrução para separação dos materiais que devem ser direcionados para os bags de coleta. Segundo ela, há ainda os resíduos de classe A, que são encaminhados para o triturador e, posteriormente, para a peneira elétrica para seleção da granulometria adequada para cada serviço.

Separação de resíduos no canteiro de obras do Lagoa Eco Towers

 

Uso planejado de água e energia elétrica: empreendimentos desse tipo demandam uma grande quantidade de água e energia elétrica. Por esse motivo, é importante traçar um planejamento do uso racional desses recursos. Esse ponto possui duas etapas:  a primeira no decorrer da obra; a segunda ao longo das operações do hospital.

Estratégias e materiais sustentáveis: elaborar um projeto desde o início com uma construtora especializada permite implementar técnicas e materiais específicos para a construção de um hospital menos poluente.

Atenção ao ambiente e comunidade locais: o planejamento inicial deve conter informações a respeito do meio ambiente e da comunidade da região. Dessa forma, é possível considerar todos os impactos que o projeto pode causar no local, visando a redução, reciclagem e/ou reutilização dos resíduos e promovendo sinergia com a população. Essa análise permite, inclusive, decisões futuras mais assertivas, como reformas e ampliação dos hospitais.

Mais qualidade de vida social: um projeto sustentável não envolve apenas a redução de impactos ambientais e econômicos, mas também seus desdobramentos sociais. As construtoras precisam ter consciência de que, ao praticar a sustentabilidade social, seus funcionários e toda comunidade ao redor precisam ter uma vida com qualidade. Além disso, os processos internos e as empresas parceiras devem estar e acordo com essas boas práticas.

 

O setor da saúde exige uma preocupação mais atenta aos quesitos ambientais, indo além dos aspectos legais ou de uma simples solução operacional. Construir um hospital envolve questões de ética, pois é dever da construtora propor caminhos que não coloquem em risco as condições necessárias para o bem-estar das pessoas que irão utilizar aquele espaço.

Quer saber mais sobre o papel da construtora na elaboração de um hospital sustentável? Entre em contato com a Amplus e venha bater um papo com nossa equipe.

Fabianne Falcão